Inventario em família

Inventário Judicial x Inventário extrajudicial

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Sempre importante, nunca desejado, essa é a natureza do inventário. É o processo natural após o falecimento de um indivíduo que tenha bens e/ou dívidas. É no inventário que se apura tudo que a pessoa morta tem e todas as suas dívidas de maneira que após isso, haja a partilha de possíveis bens. Quando o inventário traz brigas e infortúnios à família, o que é pesar, passa a ser ainda mais difícil. Na busco desburocratizar o processo, evitando maior dor aos familiares que acabaram de perdem um ente querido, atualmente é possível por meio de escritura pública, fazer o processo de inventário fora da esfera jurídica, sendo realizado em um ofício de notas. Entretanto para isso ser possível deve-se respeitar alguns termos como:

  • Haver entendimento entre as partes – Para que o inventário seja descomplicado, não pode haver divergência no que cada um tem direito.
  • Não ter qualquer parte interessada que seja menor ou pessoa incapacitada. Só é possível esse modo mais simples se todos puderem responder pelos seus próprios atos.
  • Não ter testamento deixado pelo falecido. Em caso de ter, mesmo com consenso geral, é compulsório o inventário judicial.

Inventário Judicial demanda tempo e gastos

Uma das maiores vantagens do processo fora dos braços do poder judiciário é a resolução de todo o processo em pouco tempo. Caso precise entrar na justiça por algum dos motivos acima descritos, o processo se torna mais lento, moroso e um tanto quanto mais caro. Os melhores advogados de família do Rio de Janeiro podem, com certeza, agilizar, mas é uma realidade que o processo de inventário judicial pode levar mais de um ano.

Para abertura do inventário, deve-se respeitar o prazo de 60 dias após o dia do falecimento, caso contrário, poderá ser cobrada multa que varia de acordo com a legislação de cada município. É fundamental ser prático e organizar tudo que precisa. O auxilio profissional de um advogado não é facultativa. Portanto, procure quem pode resolver o caso!

Deixe um comentário!

0 Comentários

Comente