mediacao-direito-familia

Entenda a Lei da Mediação no âmbito do Direito de Família

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePrint this page

A fluência de diversos processos pode ser prejudicada pela quantidade exacerbada de casos a serem apreciados e resolvidos. Em muitos deles, a situação poderia ser solucionada se prevalecesse o bom senso das partes. A Lei da Mediação visa transformar a justiça, fazendo dela mais objetiva e célere, com o objetivo de que os casos designados aos juízes e desembargadores sejam de fato resolvidos sem precisar recorrer à força coercitiva da lei.

O grande embate nessa questão, quando o assunto é direto de família, é a presença de incapazes, o que demanda uma avaliação por parte da justiça visando o melhor para a criança em questão. Paulo Lins e Silva Advogados, dessa maneira, pode ajudar a procurar a mediação, focado sempre na melhor decisão para preservar o bem estar do menor.

Mediação é uma forma de evitar maiores desgastes

A casuística comprova que, quanto menos conflito, menor é o prejuízo para o desenvolvimento da criança. Sendo ela o objeto de contenda entre pais, pode haver dificuldade para concretizar acordo sobre o que é o certo a ser feito. Entretanto, mediação é diferente de conciliação, e representa uma forma que demanda maior participação do advogado de família na resolução de conflitos.

Um escritório de família e casamento, porém, deve estar preparado para todas as mudanças no âmbito da resolução dos processos, deixando as soluções mais claras e objetivas, independentemente da forma com que ele se desenvolva. Dessa maneira, é fundamental que os profissionais estejam em contante observação do cenário, de forma a antecipar as decisões que serão tomadas pelos magistrados responsáveis pelos julgamentos.

A nova regulamentação sobre guarda de menores privilegia a modalidade compartilhada, portanto, as mães principalmente devem atentar para uma prerrogativa paterna recente, que representa, de certa forma, uma mudança cultural. As famílias, atualmente, são multifacetadas, e o universo jurídico não pode deixar de acompanhar as tendências impostas pelo tecido social.

Deixe um comentário!

0 Comentários

Comente